Tóquio

Dicas práticas de como andar de metrô em Tóquio

O metrô de Tóquio é um excelente meio de transporte para quem está visitando a capital japonesa, já que atinge uma grande parte da cidade e principalmente, os locais onde estão os pontos turísticos mais visitados. Porém, algumas coisas devem ser levadas em consideração, por isso reunimos algumas dicas de como andar e se comportar no metrô em Tóquio.

À primeira vista, o mapa do metrô de Tóquio pode parecer meio complicado, já que são 13 linhas principais, que se cruzam em várias estações e atendem a vários pontos da cidade. Isso sem contar as linhas de JR, que explicarei em outro post. Quem já está acostumado à logística de linhas de metrô em cidades como Paris e Londres, terá uma maior facilidade para andar de metrô em Tóquio.

Entendendo as linhas

A primeira coisa que deve ser levado em consideração é que cada linha possui uma cor e uma letra, normalmente correspondente ao nome. Outro detalhe importante é que cada estação recebe a letra da linha que ali passa, acompanhada de um numeral, que corresponde à sequência de estações. Tomando como exemplo a Marunouchi Line: possui cor vermelha e é simbolizada pela letra M, com estações que vão de M1 a M25. Então, se alguém informar que você deve saltar na estação M17 (Tokyo Station), você já sabe que é a 17ª estação da linha Marunouchi.

Algo que me chamou a atenção é que em algumas estações a cor do corrimão da escada rolante corresponde à cor da linha do metrô. No caso de transferência de uma linha para outra, também notei que no chão existem setas com as cores das estações de transferência indicando o sentido por onde a pessoa deve ir. Tudo bem intuitivo e sinalizado.

Como comprar seu tíquete de metrô

A compra dos tíquetes de metrô em Tóquio é feita nas máquinas automáticas (vending machines) que aceitam moedas e notas. Diferente de muitos sistemas metroviários do mundo, o preço do tíquete não é único, ou seja, ele vai depender do percurso que o usuário percorrer. Depois que descobri isso, achei super inteligente, mas esse é o grande causador de confusão entre os que não estão acostumados com o sistema.

Acima de todas as máquinas de venda de tíquetes estão mapas das linhas de metrô com os valores em iene, basta ver o valor que consta na estação de destino e selecionar o valor na máquina, após ter selecionado o idioma inglês se você não entende japonês, claro.

Importante que você escolha a opção correta de valor do tíquete, porque se você escolher uma tarifa mais baixa, terá problemas para valida-lo na saída; e se escolher uma tarifa mais alta, gastará dinheiro a mais, sem necessidade. Caso tenha dúvida de qual valor escolher, você pode fazer a compra do seu tíquete buscando pelo nome da estação para a qual você quer ir (A) ou pela linha e número da estação (B).

Se ainda ficar em dúvida, os funcionários do metrô têm a maior boa vontade em ajudar, apesar do inglês às vezes ser meio precário. Ou então você pode baixar o aplicativo Tokyo Subway Navigation for Tourists ou fazer uma busca prévia no site. Após a compra, é necessário fazer a validação do tíquete na roleta, inserindo o mesmo e retirando logo após e guardando consigo, já que você precisará dele para sair na estação de destino.

As 13 linhas do metrô de Tóquio pertencem a dois grupos diferentes: Tokyo Metro Line (9 linhas chamadas de Metro) e Toei Line (4 linhas chamadas de Subway). Os tíquetes de uma não servem para a outra, porém elas se interligam e você pode usar ambas em uma mesma viagem, por isso é preciso fazer um ajuste da tarifa (Fare adjustment) nas máquinas automáticas, mesmo que o valor do percurso esteja correto. Aconteceu conosco e chamamos o funcionário do metrô que nos ajudou a fazer esse ajuste.

Acompanhe o andamento da sua viagem

Uma vez dentro do vagão, acompanhe o andamento da sua viagem pelos monitores que ficam normalmente acima da porta. Existe aviso sonoro de qual é a próxima estação, mas em algumas linhas é falado apenas em japonês. Os monitores informam qual a próxima estação com o número e também o tempo em minutos para chegar estações subsequentes. 

Na foto estávamos indo em direção à estação G7 da linha Ginza (laranja) com o tempo de chegada em 1 minuto. Para a linha G11 por exemplo, levaríamos ainda 9 minutos. Nos mesmos monitores passam informações sobre qual porta irá abrir naquela estação e também um mapa do trem na estação indicando as saídas e a posição dos vagões, o que facilita bastante a sua localização.

As regras de etiqueta no metrô

Os japoneses são extremamente metódicos e, consequentemente, organizados. Por isso, seguir algumas regras de etiqueta no metrô não faz mal a ninguém e ainda evita problemas. Independente se você estiver indo ou vindo, mantenha-se do lado correto, indicado pelas setas no chão, dessa forma você evitará esbarrar nas pessoas que estão andando no sentido contrário ao seu. Vale ressaltar que não vi ninguém pagar multa por causa disso, mas muitas vezes me peguei no sentido errado, o que atrasa um pouco nossa caminhada.

Apesar de não ter fila preferencial nos restaurantes ou mercados, no metrô existem assentos preferenciais para idosos, deficientes, cardíacos, grávidas e pessoas com crianças de colo e eles estão indicados com um adesivo na janela.

Outra coisa importante é manter o silêncio dentro dos vagões. Vários avisos no interior do vagão indicam para não falar alto e manter seu celular no modo silencioso e isso é seguido à risca. Algo que me chamou atenção é que a maior parte dos japoneses está lendo ou usando o celular, inclusive jogando ou vendo algo, mas com uso de fones de ouvido ou no silencioso mesmo. Então se quiser parecer local, junte-se a eles no mundo do celular no modo silencioso, como eu fiz.

Toda cerimônia que os japoneses têm ao se despedir, ao falar baixo e a respeitar as regras vai por água abaixo quando eles dormem no metrô. Não se assuste se tiver alguém dormindo ao seu lado e de repente você sentir a cabeça caindo no seu ombro. É o jeito deles de mostrar um certo “calor humano”.

Uma experiência, e algumas vezes uma diversão a parte, andar de metrô em Tóquio pode parecer complicado no começo, mas no momento em que você se situa e entende o sistema, fica muito mais fácil de se locomover pela cidade.

Leo Vidal
Leo Vidal
Carioca, biólogo, apaixonado por música, filmes e sempre disposto para novas viagens. Compartilha suas dicas de viagem há mais de 5 anos, sempre antenado ao melhor da gastronomia e hotelaria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *