Torre dos Clérigos
Porto

Torre dos Clérigos: um ícone do Porto

Um dos principais ícones do Porto está localizado em frente à Praça de Lisboa. A Torre dos Clérigos é mais que apenas uma torre de observação na cidade. Ela faz parte de um complexo que inclui uma igreja – que leva o mesmo nome – e um museu.

Histórico

O complexo arquitetônico dos Clérigos – incluindo torre e igreja – foi construído no século 18 por Nicolau Nasoni. Com inspiração barroca, desde 1910 é considerado Monumento Nacional. Atualmente é administrado pela Irmandade dos Clérigos, que em 2014, abriu o conjunto à visitação pública.

A Irmandade dos Clérigos foi criada em 1707. Fruto da unificação da Confraria de Nossa Senhora da Misericórdia dos Clérigos Pobres, da Irmandade de São Pedro e da Congregação de São Filipe Neri. A igreja dessa nova irmandade – atual Igreja dos Clérigos – começou a ser construída em 1732. A partir de um projeto inédito em Portugal, uma planta em forma de elipse, sendo o primeiro interior oval do país.  Por fim, a sagração foi feita em 1779.

A Igreja dos Clérigos

A visita à igreja é gratuita (e não precisa de fila). Para ir até o topo da torre é preciso ingresso, que pode ser comprado na hora. As janelas da igreja permitem entrada de luz, realçando o dourado das talhas que combinam com o mármore que dá alicerce. A cúpula assente sobre seis pilastras ostenta o brasão de armas da Irmandade dos Clérigos, em granito. Destacam-se dois púlpitos, que se abrem em quatro altares laterais. Santíssimo Sacramento, Nossa Senhora das Dores, Santo Emídio e Santa Ana. Ao fundo uma capela-mor com altar de mármore e retábulo onde está um trono coroado pela imagem da padroeira Nossa Senhora da Assunção. A capela-mor é ladeada pelo cadeiral e pelos dois órgãos de tubos ibéricos.

A visita à Torre dos Clérigos

Quem visita a Torre consegue ter uma vista superior da Igreja que é bem interessante. Dependendo da hora, as filas podem ser extensas. Fui no horário do almoço e esperei uns 20 minutos para poder subir. Um ponto importante é que a subida é feita apenas por degraus. Ou seja, pode ser impeditivo para pessoas com problemas de locomoção.

Após comprar o ingresso para subir a torre, se passa por uma parte museológica. A visita passa pela Casa do Despacho onde os mesários se reuniam para tomar as decisões a respeito da gestão da Irmandade. Em seguida, pelo Cartório ou Arquivo onde se produziam e arquivavam os documentos da Irmandade. Por fim, a Sala do Cofre onde está o cofre chapeado em metal. A fechadura é de um mecanismo complexo de três chaves que abriam simultaneamente. Cada uma delas sob responsabilidade de uma pessoa – o tesoureiro, o juiz e o secretário.

A torre tem 75 metros de altura, considerado ainda um dos edifícios mais altos de Portugal. São 225 degraus até o topo, em um espaço apertado e em único sentido. Em vista disso, é requerida uma logística de organização para a subida e descida dos visitantes. Por essa razão, muitas vezes a subida é parada em determinados pontos, para aguardar os que estão descendo.

Já no alto da torre, se tem uma vista 360 graus da cidade, com indicação dos principais pontos do Porto. O sentido de visitação no alto da torre é único, até chegar o ponto onde se inicia a descida. Em algumas épocas do ano é possível subir à noite e observar a cidade iluminada. Eu sinceramente não achei nada demais a vista do alto da Torre dos Clérigos. Acho que a vista que se tem de Vila Nova de Gaia é muito mais especial.

Torre dos Clérigos

Visitar a Torre dos Clérigos é conhecer um dos principais marcos do Porto. Atentar-se aos detalhes e afrescos no interior da igreja merece destaque. O complexo dos Clérigos está aberto a visitação todos os dias, das 09h às 19h; quando aberto no período noturno fica até 23h. O valor do bilhete era de 5€ em agosto de 2018. Ele inclui a visita à torre e ao museu durante o dia, e apenas à torre durante a noite. 

Leo Vidal
Carioca, biólogo, apaixonado por música, filmes e sempre disposto para novas viagens. Compartilha suas dicas de viagem há mais de 5 anos, sempre antenado ao melhor da gastronomia e hotelaria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *