Madrid

Tour pelo Palácio Real de Madrid e arredores

Na minha primeira vez na capital espanhola, em 2011, não consegui visitar o Palácio Real de Madrid e nem a Catedral de la Almudena, por isso em fevereiro de 2018, foi obrigatório incluir em meu roteiro. Mas além do interior do Palácio, os arredores que incluem a Catedral e a Plaza de Oriente, também são bem interessantes para conhecer. 

A primeira visão que temos é de uma praça muito bem cuidada, com diversas estátuas em meio a um cenário verde e caminho de terra batida. A Plaza de Oriente está localizada em frente ao Palácio Real e seus jardins foram inaugurados durante o reinado de  José Bonaparte, entre os anos de 1808 e 1813, seguindo os padrões geométricos dos grandes jardins de palácio europeus. Um grande corredor de estátuas de reis espanhóis no entorno da praça escoltam a escultura central, a grande estátua equestre de Filipe IV, feita pelo escultor italiano Pietro Tacca em 1640.

Ao lado do palácio estão os Jardins de Sabatini, em homenagem ao arquiteto italiano que fez, dentre outras construções, a Porta de Alcalá. Dois outros prédios incessantes próximos à Plaza de Oriente são o Teatro Real, que comemora 200 anos em 2018, e o Real Monasterio de la Encarnación. Seguindo pela Calle de Bailén, chega-se à esplanada onde está a fachada principal da Catedral de la Almudena, dedicada à padroeira da cidade.

A fachada neogótica da Catedral de Madrid segue as mesmas cores – branco e cinza – da fachada do Palácio Real de Madrid. Originalmente planejada para servir de panteão para a rainha Maria de las Mercedes, a catedral começou a ser construída em 1883, mas foi concluída apenas um século depois, em 1993, consagrada em junho do mesmo ano pelo Papa João Paulo II. Em seu interior, cuja entrada se dá pela lateral na Calle de Bailén, está um lindo altar com a imagem da padroeira da cidade, a Virgem de la Almudena. Do lado de fora uma estátua em homenagem ao Papa João Paulo II, uma pequena lojinha de lembranças e uma bela vista da cidade, mais especial ainda no entardecer. O museu abriga os padroeiros da cidade: a Virgem de La Almudena e San Isidro Labrador, e faz um percurso pela história da Igreja através dos sete sacramentos.

Em frente à fachada principal da Catedral está a entrada para visitação do interior do Palácio Real de Madrid, que foi residência real desde Carlos III até ao reinado de Alfonso XIII. Atualmente, permanece como residência oficial dos reis, apesar de não ser ocupado pelos monarcas, sendo utilizado para grandes comemorações e recepções oficiais. Originalmente um forte real, após um incêndio em 1734, o rei Filipe V encomendou a construção de um palácio, que durou 17 anos. Carlos III foi o primeiro monarca a ocupar o palácio e, por isso, responsável por boa parte da decoração em seu interior e da criação do Salão dos Espelhos. O edifício foi inspirado no esboços de Bernini para a construção do Palácio do Louvre em Paris.

A visita se inicia pela Plaza de la Armería, de onde se tem acesso ao Arsenal Real com armas e armaduras dos reis espanhóis. A Escadaria Principal com mais de 70 degraus, desenhada por Sabatini, no hall de entrada é um dos poucos locais onde é permitido fotografar. O teto em estilo rococó foi pintado por Giaquinto e a escadaria de mármore, ladeada pela estátua de Carlos III como imperador romano, leva ao andar principal, onde começa o tour pelos aposentos do palácio.

A primeira sala, o Hall de Halberdiers (Salão dos Alabardeiros) é uma homenagem à Guarda Real que protege a Família Real. Em frente uma obra retratando a família de Juan Carlos I, considerado o principal testamento artístico da Família Real Espanhola de 1975 a 2014. Em seguida, passamos pela Sala Gasparini em homenagem ao projetista napolitano, decorada com motivos chineses e estilo rococó; pelo Salão das Colunas; a Real Farmácia, com uma coleção de potes de cerâmica, frascos e gavetas para plantas medicinais e receitas com detalhes das medicações dadas à família real; a Sala do Trono que mantém a decoração original de Carlos III; e a Sala de Jantar com mais de 40 lugares, lustres e tapeçarias.

Quem quiser, pode conjugar, desde 2017, a visita do Palácio Real de Madrid com a Real Cocina, uma das mais bem conservadas cozinhas históricas das residências reais europeias. O conjunto conserva instalações históricas renovadas entre 1861 e 1880, com utensílios e peças expostas. Todas as quartas-feiras – exceto entre os meses de julho e setembro – é realizada a Troca da Guarda Real.

O horário de visitação do Palácio Real de Madrid é de 10h às 18h entre outubro e março e de 10h às 20h de abril a setembro. O valor da tarifa básica é de 10 €, podendo ser combinado com o Teatro Real (15 €) em frente ou com outras atrações no próprio palácio. A Catedral de la Almudena funciona diariamente de 9h às 20h30 e o acesso ao museu e cúpula de 10h às 14h30 de segunda a sábado.

Endereço: Calle Bailén, s/n – Austrias – Tel.: +34 91 454 87 00

Leo Vidal
Carioca, biólogo, apaixonado por música, filmes e sempre disposto para novas viagens. Compartilha suas dicas de viagem há mais de 5 anos, sempre antenado ao melhor da gastronomia e hotelaria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *